domingo, 22 de novembro de 2015

Graphic Novels #06 a #09

GRAPHIC NOVELS #06 a #09 – EDITORA ABRIL
Digitalização e Restauração H.O.R.D.A. Comics

Graphic Novel 06_20150903_0001
PARA BAIXAR TODAS, CLIQUE AQUI

Mike Saenz se une ao programador Wiiliam Bates e o resultado é  Crash, uma espécie de Cavaleiro das Trevas do Vingador Dourado,e  a primeira HQ completamente produzida por computador. A trama se passa no futuro, com Tony Stark já com mais de 70 anos, mas ainda jovem graças a uma droga que retarda o envelhecimento. Nesse cenário, ele contracena com Nick Fury, ainda diretor da Shield, numa história que envolve politicagens, pirataria e espionagem industrial. Enfim, uma história típica do ferroso.

Graphic Novel 07_20150904_0001

Batman é obrigado a se aliar ao seu maior adversário para deter um terrorista sanguinário e insano que obtém o controle de uma máquina capaz de manipular o clima. Assim, o Cruzado Encapuzado se vê em uma difícil situação, tendo de caçar o criminoso e, ao mesmo tempo, proteger Tália, a mulher que pode estar carregando em seu ventre o filho do Homem-Morcego. Roteiro por Mike W. Barr e ilustrações por Jerry Bingham.

Graphic Novel 08_20150904_0001

O Edifício conta a história de 4 personagens diferentes, que vivem realidades diferentes dentro do mesmo espaço: o mundo urbano e a fugaz vida citadina ao redor de um edifício. Monroe Mensh, Gilda Green, Antonio Tonatti e P. J. Hammond não só se enquadram em realidades diferentes, mas também podem representar estratos sociais diferentes – talvez o ponto principal desta leitura.

Graphic Novel 09_20130124_0001

Num futuro próximo a magnetosfera do planeta Terra foi destruída e a mortífera radiação solar dizimou a humanidade quase por completo. Por pura necessidade os robôs (que foram criados para serviços braçais humanos) iniciaram sua chamada “convergência evolutiva”. Ou seja, tiveram que se adaptar ao novo ambiente hostil da superfície terrestre e aos poucos começaram a poder se auto-reproduzir e ter consciência. Essa adaptação ao ambiente fez surgir os robôs-animais , muito semelhantes aos seus antecessores e com habilidades também semelhantes.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Retalhos

RETALHOS  - CRAIG THOMPSON
Digitalização e ajustes by H.O.R.D.A. Comics
Retalhos_20150916_0001
PARA BAIXAR, CLIQUE AQUI

Quando vi Retalhos pela primeira vez, lá pelos idos de 2009, fiquei fitando aquela capa, e pensando, “ah, não! Romancezinho, não”, e deixei pra lá. Craig Thompson estava riscado da minha lista, relegado ao clássico “não li e não gostei”.

Algum tempo depois eu viria a adquirir sua graphic novel seguinte, Habib, e gostei muito do que li. Mesmo assim, Retalhos continuou não sendo uma opção. Mas, Habib já me mostrara o talento de Thompson.

O tempo passou mais um pouco e uma nova remessa de quadrinhos chegara à banca de livros usados que fica aqui ao lado. Entre eles estava Retalhos, seminovo e pela metade do preço. Resolvi que estava na hora de dar uma chance. E, claro, eu estava errado em meus preconceitos. Normal.

Retalhos é uma história em quadrinhos (ou graphic novel, tanto faz) autobiográfica, que levou Craig Thompson instantaneamente ao mesmo patamar de grandes autores, sendo elogiado até por Art Spielgelman, o autor de Maus.

O que ele faz é nos mostrar que toda história merece ser contada. Se ela será “ouvida” depende do narrador e de como ela será narrada. O que poderia ser apenas mais uma entre milhões de histórias cotidianas se torna algo grandioso quando Thompson nos conta.

Craig Thompson narra sua infância e adolescência, vivendo com pais muito religiosos e um irmão mais novo. Sua vida, entre bullings e igreja vai seguindo até que, já adolescente, conhece Raina, em um retiro religioso, e os dois sentem grande afeto um pelo outro.

Temos aqui muito mais que um “romancezinho”. Ao menos quando percebemos que Thompson não narra apenas sua paixão, mas toda a transformação a que isso levou. Todo amadurecimento e descoberta de si mesmo a que foi conduzido.

Quantos de nós não fomos mudados por eventos em nossas vidas, muitos deles ligados ao coração, como é o mais frequente. Quantos de nós temos nossas próprias histórias que dariam gibis e mais gibis. Toda história merece ser contada, só precisamos descobrir como. Thompson descobriu.

Retalhos_20150917_0301